Carregando
Carregando conteúdo

Sintomas da Dengue. Tudo o que você precisa saber para se proteger

Data

6 ● fevereiro ● 2018
Saúde de A a Z

A chegada do verão e do período de chuvas aumentam o alerta contra sintomas da dengue.

 

Você já foi diagnosticado com dengue alguma vez? Se sim, você sabe o quanto os sintomas da dengue são severos, sobretudo quando a incidência da doença é recorrente. A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Uma doença grave que pode evoluir para quadros hemorrágicos e levar a morte.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), estima que 50 milhões de pessoas são infectadas pelo vírus da Dengue por ano no mundo. O período de temperatura mais elevada e o maior volume de chuva, favorecem a proliferação do mosquito transmissor, por isso é importante os cuidados logo nos primeiros sintomas da dengue e o combate.

Os médicos da Cia. da consulta explicam um pouco mais sobre a dengue e seus sintomas para você se prevenir da doença.

 

O que é Dengue?

 

A Dengue é uma doença viral transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Também existem registros da doença por “transmissão vertical” (da gestante infectada para o bebê) e por transfusão de sangue.

A dengue é uma epidemia de grande magnitude e um dos principais problemas de saúde em todo o mundo, disseminando-se especialmente em lugares tropicais e subtropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti.

 

Quais os tipos de dengue?

 

Existem 4 tipos do vírus da dengue, DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4 e todas as variações causam os mesmos sintomas. Caso um paciente adquira o vírus mais de duas vezes, corre o risco de desenvolver as formas mais graves, como a dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue.

 

Como saber se estou com dengue?

 

Os primeiros sintomas da dengue geralmente se manifestam a partir do 3° dia após a picada do mosquito. A doença tem um ciclo médio que dura entre 5 a 6 dias e esse intervalo entre a picada e a manifestação da doença chama-se período de incubação. É só depois desse período que os sintomas vão aparecer e se intensificar.

Confira abaixo os principais sintomas que diferenciam a dengue clássica e a dengue hemorrágica:

Dengue clássica x Dengue hemorrágica. Como diferenciar os sintomas?

 

 

Sintomas da Dengue Clássica

 

Nesse tipo da doença os sintomas da dengue se manifestam de forma mais leve e algumas vezes chegam a ser confundidos com a gripe. A doença tem início súbito e pode ficar no corpo de cinco a sete dias.  

Fique atento a manifestação dos seguintes sintomas:

  • Febre alta (Entre 30º e 40º C);
  • Forte dor de cabeça;
  • Dores atrás dos olhos, que piora com o movimento dos mesmos;
  • Perda de apetite e do paladar;
  • Manchas vermelhas e erupções na pele semelhantes ao sarampo, principalmente no tórax e membros superiores;
  • Náuseas e vômitos; 
  • Tonturas;
  • Extremo cansaço;
  • Moleza e dor no corpo;
  • Muitas dores nos ossos e articulações.

Em alguns casos, a pessoa infectada pode não manifestar os sintomas de dengue, combatendo o vírus sem nem saber que ele está em seu corpo.

 

Sintomas da Dengue hemorrágica

 

Os sintomas da dengue hemorrágica são os mesmos da dengue clássica. A diferença é que neste tipo de dengue, há alterações na coagulação sanguínea, provocando hemorragias em alguns orgãos do corpo.

No terceiro ou quarto dia da manifestação dos sintomas, também ocorre a queda abrupta da pressão arterial. Esse tipo de dengue precisa ser tratado com rapidez, caso contrário pode levar o paciente à morte.

Os sintomas da dengue hemorrágica mais frequente são os seguintes:

  • Dores abdominais fortes e contínuas;
  • Vômitos persistentes;
  • Pele pálida, fria e úmida;
  • Sangramento (Através do nariz, boca e gengivas);
  • Manchas vermelhas na pele;
  • Sonolência, agitação e confusão mental;
  • Sede excessiva e boca seca;
  • Pulso rápido e fraco;
  • Dificuldade para respirar;
  • Perda de consciência.

O quadro clínico da dengue hemorrágica se agrava rapidamente, apresentando sinais de insuficiência circulatória e choque, podendo levar a pessoa à morte em até 24 horas.

Segundo estatísticas do combate ao aedes, cerca de 5% das pessoas que contraem a dengue hemorrágica, morrem. Por isso é importante que nos primeiros sinais de alerta, o  paciente procure um médico.

 

Um exame de sangue pode detectar a presença do vírus no sangue.

 

A síndrome do Choque da Dengue

 

O caso mais sério que a dengue pode gerar é a síndrome do choque da dengue. O quadro se caracteriza por uma grande diminuição ou queda brusca e acentuada da pressão arterial, inquietação, palidez e perda de consciência de forma rápida.

O paciente que sofreu um choque de dengue pode desenvolver várias complicações neurológicas, cardiorrespiratórias, insuficiência hepática, hemorragia digestiva e derrame pleural, além de outras complicações como convulsões febris em crianças pequenas, desidratação grave e sangramento.

A síndrome de choque da dengue pode levar o paciente a morte se não tratada logo aos primeiros sinais dos sintomas.

 

Como é feito o diagnóstico da dengue?

 

Se você começou a sentir um dos sintomas da dengue, procure imediatamente um médico. Só um especialista fará o diagnóstico a partir dos sintomas e de um exame de sangue específico para os sorotipos de dengue, que irá analisar a presença ou não do vírus no sangue do paciente.

Alguns outros sinais também podem ser diagnosticados através de exames físicos realizados pelos médicos no momento da consulta:

  • Fígado aumentado;
  • Pressão baixa;
  • Erupções cutâneas;
  • Olhos vermelhos;
  • Pulsação fraca e rápida.

Na Cia da consulta, temos médicos especialistas em identificar os sintomas da dengue e gerar um diagnóstico preciso. Aqui você agenda suas consultas de forma online ou por telefone com muito mais rapidez, praticidade, conforto entre outros benefícios a um preço acessível.

 

Entenda as diferenças entre Dengue, Chikungunya e Zika.

 

O quadro clínico da dengue também pode ser confundido com o de duas outra doenças, a Chikungunya e a Zika. É importante conhecer bem os sintomas para poder diferenciar.

Apesar das 3 doenças serem causadas pelo mosquito aedes aegypti, o vírus de cada, a manifestação, duração e complicação são diferentes para cada uma. É preciso estar atento a essas diferenças e na manifestação dos seguintes sintomas:

 

Chikungunya

  • Febre alta por 2 ou 3 dias;
  • Dor de cabeça moderada;
  • Manchas vermelhas (surge no primeiro ou 4º dia – em 50% dos casos);
  • Coceira leve;
  • Inchaço nas articulações;
  • Dor nas articulações (moderada a intensa);
  • Dor nos músculos (intensa).

ZIKA

  • Febre Moderada (1 ou 2 dias de febre);
  • Manchas vermelhas intensas que surgem entre o 1º e o 2º dia;
  • Coceira moderada a intensa;
  • Dor de cabeça moderada;
  • Inchaço leve nas articulações;
  • Dor moderada nas articulações e nos músculos;
  • Conjuntivite;
  • Hipertrofia intensa nas glândulas do pescoço. 

 

Qual é o tratamento indicado para a Dengue? Posso tomar qualquer remédio?

 

Remédios com Ácido Acetilsalicílico são contraindicados em casos de dengue.

 

Até o momento não há um tratamento específico para a dengue, o que existe é apenas tratamento para aliviar os sintomas. Alguns remédios como o Paracetamol ou a Dipirona podem ser recomendados apenas para controlar a febre e diminuir as dores no corpo.

É importante que esses medicamentos sejam indicados por médicos. só eles podem fazer o diagnóstico e recomendar a medicação correta para o paciente.  

Ao começar a sentir os primeiros sintomas e também durante o tratamento, não devem ser usados remédios com ácido acetilsalicílico, como a Aspirina e outros medicamentos do grupo, pois eles aumentam o risco de sangramentos que podem provocar a dengue hemorrágica.  

Como a dengue é transmitida?  

 

A transmissão do vírus da dengue ocorre pelo ciclo homem-aedes aegypti-homem. A fêmea do mosquito aedes aegypti pica uma pessoa infectada, mantém o vírus na saliva (o que é chamado de período de incubação) e o retransmite ao picar outra pessoa. Assim permanece durante toda a vida.

A temperatura mais propícia de acontecer a transmissão da dengue gira em torno de 30° a 32°C, em decorrência disso o mosquito se desenvolve mais em áreas tropicais e subtropicais.

A fêmea coloca os ovos em lugares quentes e úmidos e em 48h o embrião se desenvolve. O inseto leva em média 10 dias para passar da fase do ovo a fase adulta.

Para o mosquito contaminar uma pessoa, ele precisa primeiro picar alguém que já está contaminado com o vírus no sangue. O mosquito então adquire o vírus e na próxima picada, injeta o sangue na outra pessoas suscetível e a contamina.   

Esse é o único meio de transmissão conhecido, não há transmissão através do contato de uma pessoa doente ou suas secreções com uma pessoa sadia, não está relacionado com fontes de água ou alimentos.

Aedes Aegypti. Um vilão que precisamos combater  

 

O mosquito fêmea do Aedes aegypti costuma picar durante a noite.

 

A dengue pode ser transmitida por duas espécies de mosquitos, a mais comum é pelo Aedes aegypti, mas também pode ser transmitida por um outro tipo menos conhecido, o Aedes albopictus, que picam durante o dia e a noite, ao contrário do mosquito comum, que pica durante a noite.

O Mosquito Aedes aegypti mede menos de um centímetro, tem aparência inofensiva, cor preta e listras brancas no corpo e nas pernas. Costuma picar nas primeiras horas da manhã e nas últimas da tarde, evitando o sol forte. Ele pode atacar à sombra, dentro ou fora de casa e há suspeitas de que alguns ataquem também durante a noite.

O indivíduo não percebe a picada, pois no momento não dói e nem coça e os sintomas da dengue aparecem dias depois. A fêmea do mosquito Aedes aegypti é, cientificamente comprovada, transmissor da dengue, febre chikungunya, zika vírus e febre amarela urbana.

Cuidados com a Dengue na Gestação

 

Grávidas devem ficar atentas às medidas de prevenção

 

No período da gravidez, os cuidados com a saúde devem ser redobrados. A gestante não pode deixar de comparecer nas consultas do pré-natal e realizar todos os exames prescritos pelo médico, além de não usar nenhum medicamento sem orientação médica caso sinta alguns dos sintomas relacionados a dengue.

A preocupação com as doenças transmitidas pela picada do mosquito Aedes aegypti aumentou e é preocupante devido ao nascimento de bebês com microcefalia relacionada  Zika vírus. Por isso, alguns cuidados de prevenção devem fazer parte da rotina das grávidas.

Como o Brasil enfrenta a epidemia de dengue?

A dengue foi identificada pela primeira vez no Brasil no ano de 1986 e ainda hoje  enfrentamos uma epidemia de contaminações pelo vírus. O combate ao mosquito é o principal meio de inibir a proliferação do vírus e apesar das campanhas de controle  realizadas pelo Ministério da saúde, os casos de dengue ainda atingem um grande número de pessoas todos os anos.

Os transmissores de dengue, principalmente o aedes aegypti, proliferam-se dentro ou fora das casas e apartamentos, em recipientes onde se acumula água limpa e parada.

Existe vacina contra a dengue?

Em 2016 a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou no país uma vacina contra o vírus da dengue. A vacina chamada Dengxativa, foi produzida pelo laboratório Sanofi Pasteur que também mostrou em um estudo que a vacina tem a capacidade de proteger as pessoas que já foram contaminadas pelo vírus da dengue, evitando as formas mais graves da doença que são as que causam maior índice de mortalidade.

Vacina tetravalente é indicada para pessoas de 09 a 45 anos

A vacina é do tipo tetravalente, ou seja, protege contra os quatro sorotipos de dengue e é indicada para pessoas entre 9 e 45 anos de idade. Os estudos mostram que para quem está fora dessa faixa etária, a eficiência é mais baixa e portanto a vacina não está indicada. Ela também é contra indicada para gestantes e pessoas com problemas de baixa imunidade.   

A vacina porém ainda não tem uma alta eficácia comprovada, estudos da fabricante mostram  que ela garante aproximadamente 65,5% de proteção, comparada a outras vacinas como a da febre amarela que garante 90%  e a do sarampo que garante 98% de proteção.

Além desta vacina, uma nova feita aqui mesmo no Brasil está em teste no Instituto Butantã. A vacina já está em fase adiantada e está sendo testada em cerca de 17 mil voluntários que serão observados de perto para comprovar a eficácia do antídoto. Essa mesma vacina já passou por testes clínicos nos Estados Unidos e aqui mesmo no Brasil,  em São paulo.

O Instituto planeja fazer testes em todo o Brasil para garantir o contato com todos os sorotipos da doença. Apesar da vacina não ser 100% eficaz, ela pode evitar casos graves que levam a hospitalização e até a morte.  

Prevenção e combate são métodos para se proteger do mosquito.

 

A melhor forma de evitar a dengue é combater locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Utilizar alguns outros métodos de prevenção para evitar a presença do mosquito também é importante.  

Medidas de prevenção são importantes para evitar a dengue

 

Eliminar recipientes que possam acumular água: O aedes aegypti coloca seus ovos em água limpa, mas não necessariamente potável. Em virtude disso, é importante eliminar pneus velhos, latas, embalagens, copos plásticos, garrafas entre outros recipientes que possam acumular água.
Virar garrafas de vidro,  adicionar terra nos vasos de plantas e cobrir adequadamente caixas d’água e locais de armazenamento de água também são medidas para evitar os focos.

Telar portas e janelas: Para eliminar a entrada dos mosquitos, é importante colocar telas nas portas e janelas da residência. Instalar mosquiteiros nas camas para proteger principalmente as grávidas e as crianças.  Porém, é importante eliminar criadouros que estejam dentro da residência.

Uso de repelentes: Usar repelentes é um bom método para se proteger contra a dengue, principalmente em viagens ou em locais onde há muitos mosquitos. É importante e necessário realizar várias aplicações durante o dia, pois a duração do mesmo na pele é temporária. Crianças e gestantes devem usar repelentes específicos indicados pelos médicos.

Cuidado com os ralos: alguns ralos de pias e chão podem acumular água em seu interior. Neste caso é ideal fechar o ralo com uma tampa de proteção e higieniza-lo com água sanitária ou desinfetante regularmente.

Use roupas de manga longa de cores claras: As cores escuras costumam atrair os mosquitos. O uso de roupas claras e compridas ajudam a repelir os insetos e podem reduzir a chance de picadas.

Cuidado com as caixas d’água e reservatórios: as caixas d’água e reservatórios são grandes acumuladores de água e podem gerar um grande foco de criadouro dos mosquitos. Por isso é importante que estejam sempre tampados, pois pequenas quantidades de água podem ser criadouros do mosquito. Calhas expostas também devem ser checados todos os meses para evitar o acúmulo.

Cuidado com o recipiente de água dos animais: É importante lavar o recipiente de água dos animais todos os dias e trocar a água com maior frequência para evitar que os mosquitos despejem larvas no local.

Assim que surgirem os primeiros sintomas da dengue é importante procurar orientação médica, pois as manifestações iniciais podem ser confundidas com outras doenças e não servem para indicar o grau de gravidade da doença.

Procure os nossos médicos na Cia. da Consulta. Eles são especialistas em identificar se os sintomas são de dengue e indicar o tratamento adequado para você.

Conclusão: Aedes Aegypti. Nossa tarefa é combatê-lo.  

 

A prevenção é o único método para combater os mosquitos e eliminar os casos dengue. Faça a sua parte e se souber de algum local com foco de dengue, avise aos órgãos responsáveis. Se você já adquiriu dengue uma vez, é importante ficar ainda mais atento e manter as medidas de prevenção necessárias. 

E se você suspeita ou já tem um diagnóstico de dengue, é importante sempre manter a hidratação e uma boa alimentação para manter a saúde.

Tem dúvidas? Os especialistas da Cia. da consulta ajudam a solucionar.  

Agende uma consulta com um clínico geral agora mesmo.