Carregando
Carregando conteúdo
[contact-form-7 404 "Not Found"]

Estrias: o que é, tratamentos eficazes e prevenção

Data

2 ● julho ● 2018
Beleza de A a Z

Estrias: o que é, tratamentos eficazes e prevenção
Avalie este post!

Problema com estrias?

Não é privilégio seu, infelizmente.

A nossa pele é capaz de esticar e encolher de acordo com o crescimento de cada pessoa e isso acontece por causa de suas propriedades elásticas.

Porém, até mesmo essa flexibilidade possui um certo “limite”.

Um repentino estiramento da pele pode provocar as tão temidas estrias.

Dificilmente elas causam algum problema mais grave, mas tente convencer uma mulher preocupada com a aparência de que essas marcas na pele são inofensivas.

Mas não são apenas elas que sofrem com isso.

Há estrias em homens e em pessoas de todas as idades, sendo comum até mesmo a ocorrência de estrias na adolescência.

Ao surgirem, as estrias têm cor avermelhada e depois, conforme o tempo vai passando, vão ficando esbranquiçadas.

Entre os tipos de estrias, ainda há aquelas com tonalidade arroxeada.

E é para apresentar todas as informações sobre esse assunto de importância estética e de saúde que construímos este artigo completo.

Você vai ver a partir de agora o que fazer com as estrias: como eliminar, o que causa essas marcas e se existe tratamento caseiro contra elas.

Boa leitura!

O que são as Estrias?

As estrias são cicatrizes que surgem quando há o rompimento das fibras elásticas e colágenas da pele.

Mas também podemos chamá-las de pesadelo e mulher alguma discordaria.

Não que as estrias sejam um “privilégio” feminino, mas a incidência nelas é muito maior.

Geralmente, as estrias são causadas por um estiramento repentino da pele, como acontece na gravidez, por exemplo, formando linhas paralelas róseas, arroxeadas ou brancas.

Isso acontece devido à diminuição da espessura da derme e da epiderme e pode afetar tanto as mulheres quanto os homens, apesar de ser mais difícil nesses casos, como já comentado.

A verdade é que as estrias podem surgir como consequência de uma série de fatores.

Veja alguns deles:

  • Obesidade
  • Anorexia nervosa
  • Gravidez
  • Crescimento rápido durante a puberdade
  • Colocação de próteses de silicone
  • Aumento repentino dos músculos por exercícios físicos exagerados
  • Uso prolongado de corticoides.

Veja que é no mínimo curioso que a atividade física, tão importante para cuidar do corpo, também pode dar origem a essas marquinhas tão indesejadas.

Obviamente, isso só acontece em casos extremos, quando os exercícios são realizados de maneira incorreta e sem supervisão profissional.

Apesar de não ser motivo de preocupação, as estrias podem coçar e arder.

Porém, o maior incômodo mesmo é por causa da estética.

Os locais mais comuns de se encontrar estrias são os seios, ombros, abdômen, costas, quadril, nádegas e coxas.

Para mulheres vaidosas, tudo isso é mesmo um pesadelo.

Quais são os Sintomas

Na maioria dos casos, as estrias surgem sem que a pessoa tenha nenhum sintoma.

Ou seja, quando você menos percebe, lá estão elas marcando presença, literalmente.

Mas é a partir do seu surgimento que o tipo de estria é identificado, já que ele está ligado à cor que ela se apresenta, podendo ser classificada de três formas.

As estrias rosadas são consideradas como lesões mais recentes e podem apresentar sintomas como inflamação e leve coceira.

Já as estrias esbranquiçadas são aquelas mais antigas e já cicatrizadas e, por isso, já não apresentam nenhum sintoma.

Como falamos acima, algumas estrias são causadas pelo uso de corticoides e, então, elas se apresentam em maior quantidade, mais largas e com uma cor arroxeada, mais escura do que o normal.

Principais Causas

Como você já sabe, as estrias aparecem quando há o estiramento repentino da pele.

Mas o que provoca esse estiramento?

Ele pode acontecer em algumas situações, como:

  • Mudança no corpo durante a puberdade
  • Aumento dos seios e barriga na gravidez
  • Ganho de peso repentino
  • Excesso de atividade física
  • Uso de anabolizantes
  • Colocação de prótese de silicone
  • Uso prolongado de corticoides para o tratamento de algumas doenças.

Outras causas

Se você observou a lista acima e não encontrou nela a causa para as suas estrias, a explicação pode ser genética.

Sim, há pessoas com maior propensão para o desenvolvimento das indesejáveis marquinhas na pele.

Mas a causa do seu aparecimento ainda pode ser outra, pois existe uma série de síndromes que podem dar origem às estrias como um de seus sintomas.

Veja alguns exemplos:

  • Síndrome de Cushing: elevada quantidade de cortisol no sangue
  • Síndrome de Marfan: doença que afeta o tecido conjuntivo
  • Síndrome de Ehlers-Danlos: grupo de distúrbios hereditários que afetam os vasos da pele, das articulações e do sangue.

Onde as estrias se manifestam

Quanto à manifestação das estrias, é preciso dividir o surgimento das marcas na pele entre homens e mulheres.

Nas mulheres, é mais comum encontrar estrias nos quadris, nas coxas, nos glúteos, nos seios e no abdômen.

Em muitos casos, é explicação aponta para o rápido crescimento do corpo da menina a partir da puberdade, ou mesmo o ganho de peso também acelerado.

Depois, durante a gravidez ou após a colocação de prótese de silicone, também podem surgir novas estrias nos seios.

Já nos homens, as estrias são mais visíveis nos braços, costas e ombros.

Entre eles, o surgimento de estrias costuma estar associado à prática excessiva de exercícios físicos ou mesmo ao uso de anabolizantes.

Estudos reforçam relação com gravidez

Você saberia dizer em que período as estrias mais aparecem no corpo da mulher?

Se pensou na gestação, acertou.

De acordo com um estudo publicado pelo Journal of Family Medicine and Primary Care, é nesse momento que as marcas na pele se manifestam de forma mais intensa.

Os pesquisadores concluíram que mais de 90% das mulheres têm alterações complexas e significativas na pele quando esperam um bebê.

Veja, portanto, que é praticamente impossível escapar das estrias nesse período.

Um outro estudo, este publicado no British Journal of Dermatology, reforça isso.

Ele conclui que há fatores independentemente associados à ocorrência de estrias, que são: a idade materna, o índice de massa corporal, o ganho de peso e o peso do recém-nascido neonatal.

É faz uma revelação importante:

“Parece que o grupo com maior risco de desenvolver estrias severas são adolescentes”, relata um trecho do estudo.

“Esse achado é importante e pode fornecer impulso para explorar os mecanismos patogênicos das estrias”, completa.

Tipos de Estrias

A divisão por cores não é a única forma de classificação das estrias.

Inclusive, o mais correto é identificá-las conforme o tempo de existência, entre as recentes e as antigas.

Esse é um fator decisivo, por exemplo, na escolha da abordagem terapêutica.

Entenda no quadro abaixo quais são as diferenças entre elas.


Entenda: Ainda é possível classificar as estrias em atróficas e hipertróficas.

  • Atróficas: são aquelas que se apresentam deprimidas em relação à superfície da pele e podem ser consideradas como de difícil tratamento
  • Hipertróficas: são aquelas que ficam em relevo em relação à superfície da pele e também são de difícil solução.

É inegável, pelo que vimos até aqui, que as estrias são um problema estético complicado, já que raramente desaparecem por completo.

Mas isso não significa que não haja tratamento.

Então, não desanime e confira como enfrentar as marcas na pele no próximo tópico.

Quais são os melhores tratamentos

Não há segredos no enfrentamento das estrias.

De nada adianta apelar para simpatias ou remédios caseiros.

Por melhor que seja a intenção de quem lhe faz a indicação, estamos falando de um problema relacionado à sua saúde e, como tal, requer uma consulta médica.

Nesse caso, então, o primeiro passo é procurar um dermatologista.

Após o especialista diagnosticar o tipo de estria, ele pode indicar o tratamento adequado para o seu tipo de pele.

Vale ressaltar que, quanto mais cedo iniciar o tratamento, melhor será o resultado alcançado.

A eficácia da abordagem também irá depender da fase e do local em que a estria se encontra e da sua espessura.

Não há cura total para as estrias, mas é possível notar uma melhora significativa em sua aparência.

Ou seja, vale a pena apostar no tratamento.

A idade, a produção de colágeno do paciente e a genética influenciam no sucesso dele.

Abaixo, vamos falar um pouco mais sobre o melhor tratamento para cada tipo de estria.

Tratamento para estrias recentes (róseas)

Para as marcas mais recentes, o recomendado é usar creme para estria ou fazer uma esfoliação na pele.

Os cremes prescritos por um especialista ajudam a manter a pele hidratada e favorecem a regeneração do tecido.

Já a esfoliação serve para eliminar as células mortas e também uma camada mais fina da pele, fazendo com que uma nova seja formada.

É isso que gera uma melhora no aspecto da pele.

Tratamento para estrias antigas (esbranquiçadas)

As estrias mais antigas precisam de uma abordagem específica.

O que acontece é que elas não respondem bem aos tratamentos indicados para as marcas mais recentes.

Sendo assim, o dermatologista pode sugerir algum dos tratamentos que descrevemos abaixo:

Dermoabrasão

É uma esfoliação da pele realizada com uma escova metálica.

Seu objetivo é retirar a camada superficial e remover cicatrizes, deixando as estrias menos visíveis.

Microagulhamento

Consiste em um rolo, com pequenas agulhas, que quando passado sobre a pele causa microperfurações, favorecendo a formação de uma nova camada de fibras de colágeno e elastina.

Carboxiterapia

Injeção de CO2 diretamente nas estrias.

Esse tratamento melhora a oxigenação das estruturas celulares, aumentando a circulação sanguínea da região.

Peeling de ácido retinóico

O procedimento promove a retirada de células mortas e estimula a produção de colágeno na área afetada.

Laser de CO2 (ablativo)

Provoca uma queimadura na pele e, ao cicatrizar, estimula a produção de colágeno.

Laser não-ablativo

O aumento da temperatura, causado pelo aparelho, induz a produção de fibras de colágeno e elastina na derme.

Infravermelho

Quando a luz penetra na pele, causa um aumento da temperatura, o que provoca uma desagregação e a contração do colágeno.

Isso estimula a produção de um novo colágeno com a remodelação da derme e a modificação na aparência da estria.

Subcisão

É um procedimento cirúrgico que, com a ajuda de uma agulha apropriada, rompe os septos fibrosos, produzindo hematoma no local.

Como resultado, é esperado que possa ajudar na produção do colágeno novo.

Mas atenção: seja qual for o tratamento, ele deve ser indicado por um médico.

Lembre que apenas um especialista é capaz de indicar a abordagem mais adequada para cada caso, mesmo que inclua tratamentos naturais, como os descritos a seguir.

Tratamentos naturais

Sim, existem tratamentos naturais que podem melhorar a aparência das estrias ou até mesmo preveni-las.

Mas não confunda com soluções milagrosas.

Veja com o profissional de Dermatologia sobre o que pode funcionar melhor no seu caso.

Entre as opções, podemos destacar os seguintes:

  • Óleo de coco: ajuda a manter a pele hidratada, melhorando a elasticidade e aumentando a regeneração celular
  • Vitamina K: encontrada nos vegetais verdes (espinafre, couve, brócolis, alface, acelga e outros), ela atua diretamente na corrente sanguínea, com propriedades cicatrizantes e anticoagulantes
  • Aloe Vera: funciona como um hidratante natural, além de contribuir para regenerar os tecidos da pele, estimulando a produção de colágeno e elastina.

Vale ressaltar que nenhum desses tratamentos vai fazer as estrias sumirem por completo.

Eles apenas auxiliam na sua prevenção ou podem ainda amenizá-las.

Para saber mais sobre os tratamentos naturais e quais realmente são eficazes, procure um especialista.

Como prevenir as Estrias?

É impossível dizer que existe uma forma de prevenir 100% o surgimento das estrias no corpo.

Como já vimos, há diferentes causas e fatores associados ao surgimento das marcas na pele.

Muitos deles são de difícil controle.

Afinal, não há como impedir uma adolescente de crescer ou fazer com que a barriga de uma gestante não estique.

No entanto, não há porque desanimar.

Há algumas medidas que podem ajudar a prevenir ou a retardar o aparecimento dessas cicatrizes.

Quer vencer a luta contra as estrias?

Para isso, é importante:

Um cuidado importante para quem quer evitar as estrias é controlar o ganho de peso, impedindo que a pele sofra grandes distensões.

Então, olho na balança.

Qual médico buscar para tratar as Estrias?

Geralmente, as estrias costumam ser diagnosticadas e tratadas por um dermatologista.

O médico pode pedir alguns exames, se achar necessário, apenas para descartar a existência de doenças associadas.

Em alguns casos de estrias muito largas e de surgimento abrupto, o que pode ser sintoma de doenças endocrinológicas, o paciente deve procurar um especialista na área.

Mas fique tranquilo, pois se for o caso, haverá recomendação do dermatologista.

Principais dúvidas sobre as Estrias

Apesar de serem comuns, as estrias ainda acabam gerando muitas dúvidas em quem sofre com elas.

Vamos então esclarecer tudo a respeito das desagradáveis marquinhas.

1. As estrias podem aparecer em qualquer parte do corpo?

Verdade! As cicatrizes podem surgir em vários locais, porém alguns são mais propícios, como seios, coxas, quadris, nádegas, abdômen, costas e a parte de trás dos joelhos.

2. Estria tem cura?

Não. As estrias podem ser amenizadas, quando na fase mais recente.

Por outro lado, uma vez que elas já assumiram uma coloração esbranquiçada, o tratamento acaba sendo mais difícil.

Seu objetivo nesse caso é apenas deixá-las menos perceptíveis.

3. Pessoas com pele desidratada têm mais estrias?

Verdade. Os indivíduos com pele mais seca têm maior predisposição para o surgimento de estrias.

4. Bronzeamento disfarça as estrias?

Não. O sol pode deixar as estrias esbranquiçadas ainda mais evidentes.

Isso ocorre porque elas apresentam menos melanócitos (células responsáveis pela formação do pigmento) e não “pegam cor” como o resto do corpo.

5. Usar roupas apertadas causa estrias?

Verdade. As roupas apertadas, além de sensibilizar a pele, favorecem o aparecimento de celulites e aumentam as chances de estrias.

Isso se dá por causa da má circulação no local.

6. Coçar a pele pode causar estrias?

Não. O ato de coçar a pele não causa estrias, mas acaba sendo um sintoma, pois elas provocam coceira antes do surgimento.

É importante evitar coçar o local, pois isso favorece a destruição das fibras de sustentação da pele, piorando ainda mais a lesão.

Conclusão

Neste artigo, falamos sobre as estrias, marcas na pele que são um verdadeiro pesadelo, em especial para as mulheres, embora também possam acometer os homens.

Como vimos, as estrias são “cicatrizes” originadas de uma distensão repentina da pele.

São de difícil prevenção e com tratamento nem sempre eficaz.

Além disso, não têm cura e podem aparecer mais variadas áreas do corpo.

Por outro lado, existem medidas que retardam ou evitam o seu aparecimento, e é nisso que os cuidados com a pele se concentram.

Para quem se preocupa com a estética, o ideal é procurar um dermatologista assim que notar o surgimento das estrias.

Afinal, enquanto elas ainda forem recentes, há mais chances de serem amenizadas.

Agora, se você quer evitar ao máximo o seu aparecimento, não se esqueça de manter a pele sempre hidratada, beber bastante água, evitar roupas muito apertadas e banhos quentes, além de manter uma alimentação balanceada e evitar o ganho de peso.

Na maioria das vezes as estrias não causam nenhuma complicação para o paciente, mas não se descuide da sua saúde.

Caso note algo diferente, como uma estria mais larga e profunda, procure um especialista.

A Cia da Consulta permite que você encontre a ajuda que precisa por preços acessíveis.

Entre no site e agende a sua consulta.