Carregando
Carregando conteúdo
[contact-form-7 404 "Not Found"]

Candidíase: Tudo o que você precisa saber sobre a doença

Data

23 ● fevereiro ● 2018
Saúde de A a Z

Candidíase: Tudo o que você precisa saber sobre a doença
Avalie este post!

A Candidíase é uma incômoda infecção que afeta mulheres, homens e crianças.

A Candidíase apesar de bastante incômoda, é fácil de ser tratada.

Sentiu aquela coceira incômoda ou notou uma secreção diferente na parte íntima? Pode ser Candidíase. Uma infecção desagradável que merece atenção e cuidados para não se tornar recorrente ou grave. Aqui você encontra um guia completo sobre a candidíase preparado pelos ginecologistas da Cia da Consulta.

O que é a Candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por um fungo do gênero Candida, mais especificamente o Candida Albicans, que pode atingir mulheres, homens e até crianças.

O fungo da candidíase está presente de forma natural no nosso corpo, em pequenas quantidades e em estágio adormecido. Nas mulheres ele está presente na flora vaginal e intestinal e nos homens, está em forma de esporos no pênis.

Segundo Ministério da saúde, o fungo cândida normalmente está presente no sistema gastrointestinal, sendo encontrado até no ânus. Em decorrência disso, o caminho até a vagina é fácil, porém só se desenvolverá como candidíase se houver alguma brecha na proteção natural do corpo devido a baixa de imunidade.

A doença é mais conhecida por afetar os órgãos genitais femininos, mas também pode atingir outras partes do corpo como:

  • Garganta
  • Boca (Conhecida como sapinho)
  • Corrente Sanguínea
  • Unhas
  • Pele
  • órgãos genitais masculinos

Tipos de Candidíase

Existem vários tipos de Candidíase, o que muda é o local em que ela se manifesta:

Candidíase Vaginal

A forma mais comum e que pode ser recorrente nas mulheres.

 

Essa é a forma mais comum da candidíase e se manifesta nas mulheres que estejam com a  flora vaginal desequilibrada ou com o sistema imunológico enfraquecido. Nesse tipo, o fungo já presente no organismo acaba se replicando mais, visto que o corpo está sem recursos de defesa para contê-lo.

Candidíase Peniana (balanopostite)

Um tipo não tão comum da doença, mas que requer cuidados quando se manifesta. O desenvolvimento ocorre quando o organismo está vulnerável, por baixa imunidade ou outros problemas de saúde, fazendo com que o vírus se desenvolva em excesso no homem.

Problemas como diabetes e higiene precária também são fatores de desenvolvimento.

Candidíase Oral (Sapinho)

Esse tipo de candidíase se caracteriza por pequenas aftas na boca e dificuldades para engolir. Pode se desenvolver em adultos, principalmente após o contato íntimo desprotegido, e quando estão em fase de tratamentos que comprometem o sistema imunológico.

A Candidíase oral também conhecida como “sapinho” pode afetar bebês,  crianças e idosos (devido ao uso de dentaduras e higienização errada), principalmente os diabéticos.

Candidíase no esôfago

Esse é o mais raro tipo da doença e se desenvolve predominantemente em pacientes de baixa imunidade, principalmente em pessoas com câncer e portadores do vírus da AIDS.

A Candidíase de esôfago também é comum em idosos e raramente se desenvolve em crianças, somente quando há comprometimento de imunidade.

Candidíase na pele (Intertrigo)

Esse tipo também é conhecido como Intertrigo candidisíaco, que se caracteriza por uma infecção na pele, sem necessariamente estar associado a algum fator. A ocorrência desse tipo se dá devido ao atrito entre a pele, formando pequenas lesões na área.  

O calor e a unidade são ambientes propícios para a proliferação das bactérias e fungos, por isso em algumas áreas do corpo estão mais vulneráveis a desenvolver esta doença como:

  • Axilas
  • Virilha
  • Nádegas
  • Barriga
  • Pescoço
  • Parte interna das coxas
  • Entre dedos das mãos e os pés
  • embaixo das mamas

Candidíase Invasiva

Esse tipo também pode ser chamado de candidíase disseminada e costuma ser mais hospitalar e se desenvolve principalmente em recém-nascidos de baixo peso e com o sistema imunológico fragilizado.

A Candidíase invasiva ocorre quando o fungo atinge a corrente sanguínea podendo afetar órgão como o cérebro, válvulas cardíacas, baço, rins e olhos e levar o indivíduo atingido a estados graves. Se não tratado, esse tipo de candidíase pode evoluir para um quadro fatal.

Sintomas da Candidíase

Sintomas da Candidíase na Mulher (Candidíase Vaginal)  

A Candidíase vaginal ataca as mulheres e costuma causar principalmente um corrimento branco e outros principais sintomas como:

  • Coceira na vagina e no canal vaginal;
  • Dor e vermelhidão na região vaginal;
  • Corrimento branco e em aspecto de grumos (semelhante à nata de leite);
  • Ardor na genitália e para urinar;
  • Dor durante as relações sexuais.

Sintomas da Candidíase no Homem (Candidíase Peniana)

A Candidíase também pode ser bem incômoda para a saúde do homem.

Nos homens a Candidíase costuma se manifestar a partir dos seguintes sintomas:

  • Coceira, ardência e inchaço na ponta do pênis;
  • Feridas que parecem rachadura na pele do pênis;
  • Manchas vermelhas no pênis;
  • Corrimento branco e agrupado;
  • Odor forte;
  • Ardor ao urinar;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Em casos mais graves pode causar juntos com os sintomas acima, distúrbios gastro-intestinais, respiratórios e outros problemas dermatológicos.

Candidíase Oral (Sapinho)

  • Desconforto, ardência e vermelhidão na boca;
  • Dor e dificuldades para engolir;
  • Manchas brancas na parte interna da boca e na língua;
  • Rachaduras nos cantos da boca.

Candidíase no esôfago

  • Dor ao engolir
  • Náuseas e vômito
  • Dor no peito
  • Dor Abdominal
  • Perda de apetite  

Candidíase na pele

  • Coceira, vermelhidão e queimação na região das dobras
  • Escurecimento da pele com formação de erosão e crostas
  • Descamação da pele
  • Lesões com saída de líquido

Candidíase Invasiva

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Vômito
  • Urina Turva
  • Inflamação nas articulações

Candidíase em Crianças

A candidíase oral ou o conhecido “sapinho” podem afetar bebês e crianças.

Na maioria das vezes, a candidíase na criança não está associada a algum sintoma. Porém em algumas situações pode causar desconforto, dor no local e recusa para se alimentar.

Nas crianças a doença costuma se manifestar mais em locais como a boca e nos genitais externos. A infecção pode ocorrer em simultâneo nos dois locais.

Como se manifestam os sintomas?

A candidíase oral manifesta-se por meio de placas esbranquiçadas que ficam aderentes à gengiva, língua e bochecha se caracterizando por uma espécie de leite coalhado.

Um dos modos de diagnosticar o início da candidíase é lavar e escovar levemente a boca da criança e verificar a aderência das placas esbranquiçadas após a lavagem.

Já a candidíase perineal aparece através de lesões de cor vermelho-vivo com pontilhado esbranquiçado e algumas vezes com aspecto úmido na região dos genitais e ânus, em especial se existe uso de fralda.

Que crianças estão mais aptas a ter Candidíase?

Os recém-nascidos e crianças no primeiro ano de vida são os mais vulneráveis a contrair a infecção pelo fungo devido suas defesas serem mais frágeis, uma vez que o sistema imunológico deles não está completamente desenvolvido.  A doença também pode afetar crianças de outras idades.

Buscando ajuda médica

É necessário procurar ajuda médica para tratar corretamente a candidíase.

Os Especialistas que podem diagnosticar a candidíase são:

  • Clínico Geral
  • Infectologista
  • Ginecologista (Especificamente para as mulheres)
  • Urologista (Especificamente para os homens)
  • Pediatras ( Especificamente para crianças)

A candidíase vaginal precisa ser tratada por um médico, caso contrário pode não ser curada e pode se tornar recorrente.

Atualmente o mercado já possui tratamentos modernos e eficazes para a candidíase por meio de medicamentos e alguns que estão em teste, como esse por meio de luz de Led que foi divulgado pela Universidade de São Paulo (USP) para tratar a candidíase oral.

Diagnóstico da Candidíase

A Candidíase é diagnosticada através de exame clínicos, laboratoriais e no caso das mulheres através de exame ginecológico e através do exame papanicolau.

Os sintomas da candidíase são semelhantes aos de outras doenças, em decorrência disso é necessário realizar um exame de cultura da região afetada para verificar se a infecção é causada por fungo e que qual o tipo de fungo.

Cada tipo de candidíase tem um diagnóstico específico como:

Diagnóstico da Candidíase Vaginal

O primeiro passo para o diagnóstico começa através de perguntas médicas sobre o histórico da paciente, se já contraiu alguma infecção vaginal ou algum tipo de DST.

No segundo passo é realizado um exame físico. O ginecologista usa um espéculo para segurar as paredes vaginais e poder visualizar melhor a vagina e o colo do útero. Durante esse exame geralmente também é colhido uma amostra do corrimento vaginal para análise em laboratório.

O último passo é a análise do corrimento vaginal através de laboratório. Se a mulher apresentar infecções por candidíase vaginal recorrente, o médico pode pedir uma análise mais detalhada do exame.

Diagnóstico da candidíase peniana

No homem o diagnóstico é semelhante ao da mulher, começa a partir de perguntas sobre o histórico do paciente como a presença de infecções passadas no pênis e se já contraiu alguma DST.

O próximo passo é realizar exames para observar as condições do pênis.

Diagnóstico da Candidíase Oral ou Esofágica

Nesse tipo é necessário realizar um exame de cultura de escarro e da boca para identificar se há a presença da infecção pelo fungo.

Diagnóstico da Candidíase de pele ou Intertrigo

Nesse tipo o diagnóstico é feito com base nas observação dos sintomas da doença e através de exames específicos como:

  • Raspagem da pele e exame KOH (Hidróxido de Potássio) para eliminar uma infecção por fungo
  • Exame da lâmpada de Wood (Luz Negra) que pode identificar uma infecção bacteriana chamada eristrasma
  • Realização de biópsias da pele. Esse exame é realizado em casos mais raros, para confirmar o diagnóstico

Em todos os casos também são realizados exames de sangue para o diagnóstico mais preciso e principalmente para identificar se a pessoa tem diabetes já que o intertrigo pode ser um dos sintomas iniciais desta doença.  

Diagnóstico da candidíase invasiva

Nesse caso são realizados exames de cultura do fungo no sangue, fluido pericárdio ou mesmo amostras de tecidos retiradas para biópsias que podem confirmar o diagnóstico.

Candidíase em Mulheres: Quanto você está mais propícia?

Segundo a Sociedade Brasileira de Imunologia, pelo menos uma vez na vida, cerca de  75% das mulheres irá desenvolver candidíase por algum motivo.

O fungo Candida Albicans se manifesta em locais úmidos e devido a região genital feminina ser quente e úmida, a proliferação do fungo se torna mais fácil e alguns hábitos do dia a dia também favorecem a infecção pela Candidíase.

Durante o verão, crescem as chances de aparecimento da candidíase e é preciso ficar atento aos hábitos comuns da estação para se proteger da doença.

Alguns dos fatores são:

Umidade e uso de roupas molhadas

Evite usar roupas molhadas por muito tempo após banho de praia ou piscina.

Não secar corretamente a região vaginal e ficar durante muito tempo usando roupas de banho molhadas após frequentar piscina ou praia, pode propiciar o surgimento da candidíase vaginal.

Consumir doces e carboidratos em excesso

Os carboidratos são agentes que propiciam o desenvolvimento do fungo da candidíase vaginal agindo de duas formas:

  1. O excesso de carboidratos altera o PH do corpo, tornando mais ácido, o que torna a região genital e outras um ambiente propício para o fungo da candidíase se manifestar.
  2. A glicose presente nos doces também é um alimento para esse fungo, portanto quando há excesso de glicose no sangue, a mulher está mais propensa a ter candidíase.

Devido a esses fatores, pessoas com diabetes podem apresentar infestações e crises mais recorrentes de candidíase, tanto a vaginal como os outros tipos.

Uso de Antibióticos

O nosso corpo, especificamente a área genital é formada por diversas bactérias e algumas são saudáveis e aliadas ao organismo para conter as bactérias e fungos perigosos.

O uso exagerado de antibióticos e corticóides que são eficazes para combater as bactérias ruins podem matar as bactérias saudáveis da vagina, propiciando o aparecimento de fungos como o da candidíase.

Por isso o uso de antibióticos é recomendado apenas com ordem médica.

Sexo sem proteção

A candidíase pode ser transmitida de um parceiro para outro por meio do contato sexual, principalmente nas áreas da genitália e da boca. Por isso é sempre importante o uso de preservativo, principalmente se um dos parceiros está fazendo tratamento para combater o fungo.

Fatores que interferem no sistema imunológico

Alguns fatores que contribuem para a redução da imunidade também favorecem o surgimento da candidíase, entre eles está:

  • Gripes fortes
  • Estresse em alto nível
  • Dormir mal ou pouco
  • Insuficiência de vitaminas e minerais
  • Dieta com baixos índices nutricionais
  • Uso de anticoncepcionais
  • Doenças imunodepressivas como o HIV
  • Uso de drogas

Candidíase na Gravidez

O gravidez gera mudanças na mulher que podem favorecer a candidíase.

Durante a gestação ocorrem algumas mudanças na genital da mulher, que passa a apresentar maior vascularização local, aumento na produção de lactobacilos e mudança do PH da vagina, que se torna mais ácida ajudando a favorecer a proliferação de fungos que favorecem a Candidíase.  

Por isso é necessário que a mulher realize corretamente o acompanhamento pré-natal para evitar problemas durante a gravidez.

A Candidíase é uma DST?

A candidíase não é uma DST mas pode ser transmitida para o parceiro.

A candidíase não é uma Doença Sexulamente Transmissivel (DST), visto que o fungo cândida está presente no nosso corpo de forma natural e durante a relação sexual desprotegida, o homem ou a mulher que manifestarem a doença, podem vir a contaminar o parceiro.

As mulheres e homens com vida sexual ativa são mais propensas à doença. Por isso é importante o cuidado e uso de preservativo nas relações, pois embora a candidíase não seja considerada uma DST, pode ser transmitida através do contato sexual, principalmente para as genitálias e na boca.

Como tratar a Candidíase

O tratamento da Candidíase, independente do tipo que seja, geralmente é feito com o uso de comprimidos e pomadas antifúngicas ou medicamentos antimicóticos para uso local.

Tratamento da Candidíase Recorrente

A candidíase pode ser uma companhia desagradável por meses e até anos. Nesse caso o primeiro passo é investigar qual o tipo de fungo responsável, pois alguns os tratamentos para os tipos de candidíase comum, não matam outros tipos do fungo Candida e a pessoa passa a ter recorrência da doença.

É importante também verificar se existe outros fatores de risco para o desenvolvemento recorrente da doença como por exemplo, diabetes, usos de corticóides e antibióticos, infecção pelo HIV, entre outros.

Nos casos de candidíase recorrente, os médicos podem indicar medicamentos orais para que o quadro não retorne. Uma alimentação equilibrada e estilo de vida mais saudável podem ajudar também nesses casos.

Alimentação equilibrada e prática de esportes são importante para a prevenção.

Caso você esteja suspeitando de candidíase, procure os nossos ginecologistas da Cia da Consulta. Aqui você faz agendamento rápido e prático e pode se livrar desse incômodo de forma mais rápida.

Tratamento da candidíase na gravidez

O uso de antifúngicos orais não são recomendados durante a gravidez, neste caso o tratamento é feito com o uso de pomadas locais.

Deste modo, os episódios de candidíase na gravidez se tornam comuns, já que o fungo pode ficar resistente aos tratamentos com cremes.

Tratamento da candidíase invasiva

Visto que esse tipo de candidíase é mais grave, o tratamento deve ser feito no hospital a partir do uso de medicamentos imunossupressores e medicamentos mais fortes e direcionados para o tipo.  

Medicamentos para Candidíase

Cada tipo do fungo Candida requer uma medicação específica.

Muitos remédios estão disponíveis nas farmácias para o tratamento da candidíase, mas somente um médico pode dizer qual o medicamento é mais indicado para o seu tratamento, qual a dosagem correta para usar e a duração do tratamento.

Por isso é recomendado procurar um médico, realizar os exames e seguir as orientações médicas. Não se automedique e faça o tratamento corretamente para obter sucesso no tratamento.  

Complicações geradas pela Candidíase

Em seu site, o Dr. Dráuzio Varella afirma que a candidíase está associada à queda da imunidade, ao uso de antibióticos, anticoncepcionais, imunossupressores e corticoides, à gravidez, aos diabetes, a alergias e ao HPV (papiloma vírus).

Pessoas que estão expostas a essas situações e doenças estão mais propensas a desenvolver a candidíase, que se não for tratada corretamente, pode se tornar recorrente e se manifestar em curto espaços de tempo.

Nos casos mais sérios onde há baixa do sistema imunológico, a candidíase se agrava e pode atingir órgãos vitais como rins e pulmões, gerando complicações e  podendo levar a óbito.

Como prevenir a candidíase?

Cuidados no dia a dia são importantes para prevenir a candidíase.

Podemos prevenir a candidíase a partir de simples cuidados do dia a dia como:

  • Manter a pele limpa
  • Realizar a  higiene íntima correta e regularmente
  • Utilizar antibióticos somente sob prescrição médica
  • Seguir um estilo de vida e alimentação saudáveis
  • Diabéticos devem manter o açúcar do sangue sob controle
  • Evite roupas justas e prefira as de tecidos de algodão
  • Evite o uso contínuo de absorventes internos
  • Use camisinha durante as relações sexuais  

Convivendo com a candidíase

Ana, uma paciente, começou a sentir um desconforto na vagina acompanhado de um corrimento branco tipo nata de leite, odor desagradável, ardor ao urinar e vermelhidão na área.

Apavorada que pudesse ser uma DST, Ana procurou nosso Ginecologista na Cia da Consulta que lhe fez algumas perguntas como:

  • Quais sintomas você sente?
  • O odor vaginal está mais forte que o comum?
  • Há quanto tempo vem notando os sintomas?
  • Já teve anteriormente alguma infecção vaginal?
  • Usou antibióticos recentes?
  • É sexualmente ativa?
  • Toma algum remédio ou vitamina regularmente?

Após as perguntas, o médico examinou a área e requisitou exames de secreção vaginal e papanicolau.

Ana retornou ao médico com um exame que mostrava a presença de candidíase. Alertada que não era uma DST e que tinha tratamento e cura, Ana seguiu as recomendações médicas e fez o tratamento por meio de remédio via oral e uma pomada no local.

Uma maneira fácil de diagnosticar e um tratamento simples para combater o fungo.

Fui diagnosticada com candidíase. E agora?

A candidíase é uma das doenças que mais atingem as mulheres.

Ana, como a maioria das mulheres ficou cheia de dúvidas e perguntou ao médico que cuidados e prevenção poderia fazer para se livrar logo do fundo e não ter recorrências.

Nossos médicos recomendaram os seguintes cuidados para quem já convive com a candidíase e quem deseja evitar, como:

  • Evitar bebidas alcóolicas
  • Não fumar
  • Manter a hidratação diária
  • Evitar alimentos com muito açúcar e gordura
  • Usar calcinhas e cuecas de algodão e mais largas para ajudar a manter os orgãos sexuais mais secos e frescos
  • Evitar o uso de roupas quentes em períodos mais quentes
  • Evitar roupas apertadas e molhadas
  • Usar medicamentos apenas pelo tempo definido pelo médico
  • Evite relações sexuais durante a fase inicial do tratamento
  • Use preservativo em todas as relações sexuais

Conclusão: a Candidíase não é um bicho de sete cabeças

A candidíase é uma incomoda infecção provocada pela fungo Candida Albicans e atinge principalmente as mulheres, mas também homens, crianças e idosos.

Manter alguns de cuidados e higiene no dia a dia podem manter você longe do fungo e dos sintomas incômodos que essa doença provoca. Realizar um tratamento adequado também é importante para afastar o fungo mais rápido de você.

Se você está com candidíase agora, é importante que reavalie sua alimentação e seu estilo de vida, pois junto com o tratamento esses são um dos fatores que contribuem para a melhorar o problema no organismo.

Saiba mais sobre alimentos que podem transformar a sua saúde e também sobre alguns  hábitos para viver bem em São Paulo  que vão ajudar a trazer benefícios para o seu dia a dia e para manter a sua saúde em bom estado.

Tem dúvidas? Os especialistas da Cia. da consulta ajudam a solucionar.