Carregando
Carregando conteúdo
[contact-form-7 404 "Not Found"]

Amígdalas: o que é, função, como operar e tratamento

Data

24 ● julho ● 2018
Saúde de A a Z

Amígdalas: o que é, função, como operar e tratamento
Avalie este post!

As amígdalas ajudam a proteger a garganta dos vírus e bactérias

Quantas vezes você já teve problemas na garganta provocado por infecções nas amígdalas? Todo mundo alguma vez ou várias vezes já teve problemas nas amígdalas. Em algumas pessoas eles costumam ser tão constantes, que é preciso fazer cirurgia para retirá-las.

Muito se fala nas amígdalas, mas você sabe o que são e a função delas no corpo? As amígdalas são espécies de gânglios linfáticos que ficam localizadas na parte de trás da boca, entre a boca e a faringe.

Umas das principais funções das amígdalas é proteger a garganta de possíveis infecções provocadas por vírus e bactérias que podem chegar através da  boca e do nariz. Ela também participa da respiração e da deglutição, porém quando retirada não causa nenhum prejuízo à saúde, visto que pode estar causando mais caso viva inflamada.

Quando as amígdalas começam a apresentar infecções, que são as amigdalites, podem causar diversos problemas a saúde como dores na garganta, entre outros. Nesse caso é preciso fazer uma cirurgia para retirá-las e preservar o bem-estar e saúde do sistema respiratório.

Aqui nesse texto você vai saber um pouco mais sobre as amígdalas, suas funções, tratamento e como funciona a cirurgia e se tiver alguma dúvida, você pode consultar nossos médicos na Cia da Consulta.

Boa leitura!

 

O que são as Amígdalas?

As amígdalas são um tipo de gânglios linfáticos ricos em glóbulos brancos que estão localizados na orofaringe, ou seja, na transição da boca para a faringe. Elas fazem parte do chamado anel linfático de Waldeyer que constitui a amídala lingual, a palatina e a faríngea (também conhecida como adenóide), na região da rinofaringe.

As amígdalas palatinas são duas pequenas estruturas arredondadas, que tem o formato parecido com uma amêndoa. É possível vê-la quando abrimos bem a boca, na parte de trás.

Todas as pessoas nascem com as amígdalas, mas em determinado momento da vida é necessário fazer cirurgia para retirar esse gânglio que acaba por provocar prejuízo à saúde.

 

Qual a função das Amígdalas?

As amígdalas participam do processo respiratório e da deglutição e ainda são aliados ao sistema imunológico e linfático. E devido ao local em que estão localizadas, ajudam o organismo a combater infecções causadas por vírus e bactérias que possam entrar pela boca e pelo nariz e evitam que elas possam causar infecções na garganta.

 

Amígdalas inchadas, o que pode ser?

As amígdalas inchadas são o primeiro sinal de amigdalite e é preciso identificar o tipo.

 

Quando algumas bactérias ou vírus tentam entrar no corpo através do nariz ou da boca, as amígdalas absorvem esses micro-organismos e, em muitos casos, também podem ficar infectadas e por isso inchadas.

Quando o paciente apresenta casos de alergias, e outras doenças como sinusite minha, faringite ou dor de garganta, as amígdalas também ficam inchadas e podem estar infectadas. Porém, é possível que as amígdalas fiquem inchadas sem nenhuma dor de garganta.

 

Outros fatores e doenças também contribuem para a inflamação e inchaço das amígdalas. Entre elas, estão:

– O contato através de compartilhamento de talheres ou beijo com uma pessoa infectada, pode causar infecção nas amígdalas;

– Crianças que estejam com vírus da gripe ou resfriadas, podem desenvolver amigdalite crônica;

Alergias alimentares também podem causar inflamação das amígdalas e inchaço;

– Em alguns casos raros, as bactérias que provocam doenças como a escarlatina, difteria ou, também podem causar inflamação das amígdalas;

 

Alguns sintomas de quem tem as amígdalas inchadas são:

  • Infecção de garganta com ou sem dor;
  • Coloração branca ou amarela das amígdalas;
  • Inflamação das amígdalas.
  • Febre e calafrios;
  • Aspereza na voz;
  • Dificuldade em falar;
  • Mau hálito;
  • Vermelhidão da garganta;
  • Tosse;
  • Dores musculares;
  • Dificuldade em engolir e respirar;
  • Linfa inchada com nódulos no pescoço.

 

Algumas pessoas podem desenvolver uma massa branca nas amígdalas. Isso pode ser pedaços pequenos de massa calcárea que se formam nas amígdalas quando há uma inflamação. Elas apresentam mau odor e incômodo na garganta. Ela pode ficar presa às amígdalas por vários dias e pode se soltar facilmente, sendo possível expelir essa massa através de uma tosse.

 

Por que as amígdalas são infectadas?

As amígdalas são uma espécie de barreira contra bactérias e vírus que possam entrar na sua boca e nariz, elas têm a função de defesa do sistema imunológico na garganta.. Por isso as amígdalas são extremamente sensíveis e vulneráveis a infecções e inflamações.

 

Na infância essa função de sistema imunológico é maior e diminui a partir da puberdade, o que explica os casos de amigdalite em adultos serem menores que entre as crianças.

 

Amigdalite: o que é, sintomas e tratamentos

A amigdalite é a inflamação das amígdalas, provocando inchaço e outros sintomas.  É uma doença mais comum no inverno, época em que o ar está mais seco e a aglomeração maior de pessoas em ambientes fechados, facilitam a entrada de vírus e bactérias pelas vias aéreas.

 

Causas da Amigdalite

A amigdalite geralmente é causada por vírus ou por uma infecção bacteriana, a mais comum é a bactéria Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A, também responsável por outras condições, que podem também pode causar a faringite.

 

Outras bactérias também podem causar a doença como a Neisseria gonorrheae, Mycoplasma pneumoniae, Chlamydia pneumoniae e Corynebacterium diphtheriae que podem causar diferentes tipos de amigdalite.

 

Tipo de Amigdalite

A amigdalite pode se desenvolver de diversos tipos, dependendo da forma ou do agente de como é contraída.  Os principais tipos são:

 

Amigdalite Viral

Esse é o tipo mais comum da doença, sendo causado através da infecção de vírus nas amígdalas. O tratamento para esse tipo da doença pode ser feito em casa com alguns medicamentos recomendados por médicos e cuidados simples.

 

Amigdalite Bacteriana

Esse tipo é causado pela infestação de bactérias, a mais comum desse tipo é a bactéria Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A. As amigdalites bacterianas existem um tratamento mais criterioso, é preciso tomar antibióticos para combater esse tipo.

 

Outros dois subtipos da amigdalite também costumam atacar, são eles:

 

Amigdalite Crônica

Se caracteriza por infecções recorrentes, causando dor de garganta crônica, mau hálito e nódulos cervicais persistentes. Esse tipo pode se manifestar até sete vezes em um ano em uma pessoa.

 

Amigdalite Aguda

Esse tipo causa a obstrução das vias aéreas devido as amígdalas estarem muito inchadas, provocando dificuldades na respiração, ronco e apneia do sono. Mesmo com tratamento, esse tipo de problema nas amígdalas pode durar até duas semanas ou mais causando muito incômodos.

 

Fatores de Risco para a amigdalite

Nas crianças a amigdalite é mais recorrente que em adultos

 

Alguns fatores devem ser levados em consideração para que a amigdalite se desenvolva, entre eles:

 

  • Idade: crianças e pessoas mais jovens costumam apresentar a doença com mais frequência do que pessoas com mais idade. Geralmente, amigdalite aparece em crianças e pré-adolescentes;

 

  • Pessoas que estão mais expostas a vírus e bactérias também podem contrair amigdalite, especialmente crianças que frequentem creches e estão em períodos escolares;

 

Sintomas de Amigdalite

A amigdalite apresenta alguns sintomas que são característicos. A partir deles o indicado é você procurar um médico para fazer um diagnóstico correto e iniciar o tratamento. Entre os sintomas, estão:

Amígdalas inchadas e vermelhas são o primeiro sintoma da amigdalite.
  • Amígdalas inchadas e vermelhas
  • Placas brancas ou amareladas com mau odor nas amígdalas
  • Dores de garganta
  • Dificuldade e dor ao engolir
  • Presença de Febre
  • Nódulos linfáticos no pescoço
  • Mau hálito
  • Dor de cabeça

 

Quando devo buscar ajuda médica

Ao sentir os primeiros sintomas como inchaços e incômodo na garganta, é importante procurar um médico e tratar as amígdalas. Os especialistas que podem fazer o diagnóstico e tratar a amigdalite são:

 

  • Clínico geral

 

  • Otorrinolaringologista (Médico para tratamento específico de garganta, olhos e ouvidos)

 

Durante a consulta o médico irá fazer um exame físico e examinar a garganta e o pescoço para avaliar se há vermelhidão, manchas brancas nas amígdalas e nódulos linfáticos inchados, e pode pedir alguns exames para ter um diagnóstico melhor.

 

Na consulta o médico também pode fazer algumas perguntas como:

 

  • Quando você começou a sentir os sintomas;
  • Se você teve ou está tendo febre;
  • Se você está com dificuldade para engolir alimentos ou se dói ao engolir;
  • Se você tomou alguma coisa para melhorar os sintomas, como Analgésico, chás ou algum outro líquido quente;
  • Se você já foi diagnosticado com amigdalite antes? Se foi, faz quanto tempo?
  • Se esses sintomas parecem afetar o seu sono;
  • Se você esteve junto com alguém com amigdalite nos últimos tempos?

 

Também é importante tirar todas as suas dúvidas no momento da consulta, pois a amigdalite pode ser uma doença frequente e é interessante você investigar o caso para evitar essa recorrência. Você pode perguntar para o médico as seguintes coisas:

 

  • Qual a principal causa para eu desenvolver amigdalite? Porque ela pode voltar?
  • Quanto tempo demora para obter resultados de testes?
  • Qual é o melhor tratamento?
  • Eu preciso fazer cirurgia para tirar minhas amígdalas?
  • Quando posso transmitir amigdalite para outras pessoas?

 

É importante que você procure um médico de confiança para fazer um bom tratamento e evitar amigdalites recorrentes. Aqui você encontra uma equipe de médicos excelentes com clínicos gerais e otorrinolaringologistas que podem oferecer a você um tratamento de qualidade de forma prática e rápida.

 

Exames que identificam a amigdalite

Os exames ajudam a mostrar o estado das amígdalas e se precisam ou não de cirurgia.

Para ter um melhor diagnóstico da amigdalite, após examinar a garganta, pescoço e ver se as amígdalas estão inchadas e o hálito do paciente está ruim, o médico poderá solicitar alguns exames como:

 

  • Exames de sangue para contagem de células sanguíneas;
  • Teste de mononucleose;
  • Exame rápido para detecção do Estreptococo;
  • Cultura da secreção da garganta
  • Alguns exames de Imagens

 

Tratamento para Amigdalite

Remédios ajudam a tratar mas é bom não usar eles de forma recorrente.

Muitas pessoas quando começam a sentir os sintomas não procuram um médico e costumam fazer tratamentos em casa com remédios naturais, chás, entre outros.

 

Porém a amigdalite pode ser perigosa e causar problemas maiores aos pacientes, em alguns casos é necessário o uso de remédios. Se for uma amigdalite simples, o médico pode receitar remédios anti-inflamatórios que irão ajudar a combater a inflamação e aliviar a dor.

 

Entretanto, em outros casos quando a amigdalite é crônica ou recorrente o tratamento precisa ser feito com o uso de antibióticos e muitas vezes é necessário até realizar procedimento cirúrgico para remover as amígdalas.

 

Só um médico pode receitar o tratamento ideal dependendo do tipo de amigdalite que for diagnosticada no paciente.

 

Como funciona a cirurgia das amígdalas?

A Cirurgia é recomendada quando não houve sucesso no tratamento com medicamentos.

Algumas pessoas costumam apresentar reincidência da infecção nas amígdalas, e também alguns sintomas que prejudiquem a sua qualidade de vida como dificuldades para respirar, dores, alergias, roncos, apneias, entre outros e há também as pessoas que não reagem bem ao tratamento.

 

Para essas pessoas, é recomendado passar por uma cirurgia de retirada das amígdalas, a chamada amigdalectomia, um procedimento realizado sob anestesia geral e que geralmente dura entre 30 minutos e 45 minutos, podendo variar em casos de complicações.

 

A cirurgia das amígdalas geralmente pode ser realizada em conjunto com a de  adenóides. É uma cirurgia simples, mas que apresenta riscos como qualquer outro procedimento cirúrgico e por isso só deve ser realizada após o fracasso de vários tratamentos das amígdalas.

A cirurgia de retirada das amígdalas tem a necessidade de um jejum prolongado prévio. O paciente precisa permanecer no hospital por, no mínimo, 8 horas, mas geralmente pernoita por conta do jejum.

A cirurgia pode durar em torno de até 1 hora e após a alta o paciente tem algumas restrições alimentares por uma semana e restrições físicas por volta de 10 a 15 dias.

Como é a Recuperação da cirurgia

A maioria das pessoas que fazem a cirurgia têm alta no mesmo dia, irá apenas depender do resultado da cirurgia. Após o procedimento, é comum que elas sintam dores na garganta que podem variar de um nível alto a leve, algumas pessoas também podem sentir dor no ouvido, no maxilar, pescoço e garganta.

 

Durante o período de recuperação, é importante que o paciente descanse o suficiente, beba bastante líquido e evite alimentos e bebidas quentes para não correr o risco de ter hemorragias.

 

No geral, a recuperação da cirurgia de retirada das amígdalas é simples e pode gerar em torno de sete a dez dias para uma recuperação completa.

 

 

Riscos da Cirurgia nas amígdalas

A cirurgia pode ter alguns riscos, mas com alguns cuidados antes e após a cirurgia, é possível controlar esses riscos, entre eles estão:

 

 

Sangramento: Podem ocorrer hemorragias pós-operatórias, a maioria dos episódios se resolve espontaneamente, já em casos mais sérios pode ser necessária uma nova internação e anestesia para controle.

 

Para evitar, é importante seguir as orientações médicas dietéticas com alimentação líquida e pastosa geladas e evitar esforços físicos até o fim da cicatrização e comunicar assim a equipe médica em caso de qualquer sinal de sangramento.

 

Dor

Essa é a complicação mais frequente, geralmente sente-se uma dor para engolir o que é muito difícil controlar, já que o paciente não tem o controle de “não engolir” sua própria saliva.

 

Para evitar, é necessário tomar alguns analgésicos recomendados pelo médico para combater a dor. Manter-se hidratado após a cirurgia também é uma forma de controlar a dor.

 

Falta de ar

Devido a cirurgia deixar um edema e trauma local com um inchaço na garganta, pode provocar alguma obstrução nasal logo nos primeiros dias após a cirurgia, gerando a sensação de falta de ar.

 

Manter a dieta com comidas frias e manter-se hidratado, pode ajudar a evitar a sensação.

 

Febre

Pode ocorrer nos primeiros dias após a cirurgia e pode ser alta ou baixa. Na ausência de outros sintomas, pode ser uma resposta natural ao trauma cirúrgico. Já se estiver em altas temperaturas, pode indicar infecções e precisar de atendimento médico urgente.

 

Para evitar, é importante a ingestão de líquidos e de antitérmicos para controlar o problema.

 

 

Amigdalite tem cura?

A amigdalite tem cura, mas pode ter recorrências e provocar diversos fatores ruins à saúde.

A amigdalite por estreptococos pode causar algumas complicações graves de saúde caso não seja tratada. As crianças com amigdalite  associada à uma infecção por estreptococos ou à faringite, são as que mais sofrem com essa infecção principalmente nos períodos mais frios e secos.

 

Por isso, é necessário que fiquem em casa resguardadas até que tenham tomado antibióticos por pelo menos 24 horas. Isso também ajuda a reduzir a transmissão da doença. A infecção geralmente é curada após o tratamento e os sintomas costumam desaparecer de dois a 3 dias depois do início do tratamento.

 

Se não tratada, a amigdalite pode trazer as seguintes complicações mais graves como:

 

  • Dificuldade para respirar, devido a obstrução das vias respiratórias por causa das amígdalas inchadas;
  • Desidratação devido à dificuldade de ingerir líquidos;
  • Insuficiência renal;
  • Abscesso na garganta e pescoço
  • Faringite bacteriana
  • Em casos mais graves, febre reumática e transtornos cardiovasculares.

 

Convivendo com a amigdalite

Ao ser diagnosticado com amigdalite, as recomendações e cuidados básicos são o seguinte:

 

  • Manter-se em repouso;
  • Beber líquidos leves, principalmente frios;
  • Fazer gargarejos com água morna e sal;
  • Manter o ar ambiente umidificado para assim, evitar a irritação na garganta.

 

 

Conclusão

Tratar a amigdalite é importante para não ter recorrências e precisar de cirurgia.

 

Aqui você conheceu um pouco mais sobre as amigdalas, gânglios linfáticos que ficam entre a garganta e a faringe e tem a função de proteger a garganta contra vírus e bactérias que podem ser adquiridos através da boca e do nariz.

 

Elas também participam do processo de respiração e deglutição e por serem a primeira barreira de proteção dessa região, são bastante suscetíveis à infecções principalmente nas crianças, por isso é comum que crianças possam precisar realizar cirurgia para retirar as amígdalas.

 

A amigdalite é a infecção das amígdalas e pode ser de vários tipos, sendo viral, bacteriana, crônica ou aguda. Dependendo da forma que é contraída. A amigdalite pode causar inchaços na garganta, gânglios no pescoço, febre, entre outros sintomas que podem ser tratados por meio de remédios ou antibióticos e dependendo do tipo, podem necessitar de cirurgia.

A cirurgia das amígdalas é um procedimento simples, que só é recomendado quando há casos recorrentes de amigdalite ou algum prejuízo para a saúde da pessoa que desenvolve. A cirurgia apesar de simples, requer riscos como qualquer outra.

Evitar bebidas muito geladas, ambientes aglomerados ou contato com pessoas doentes de amigdalite é uma das formas de prevenção da doença.

 

Fique por dentro de mais dicas para cuidar da  sua saúde. Acompanhe outros artigos do nosso blog e tire suas dúvidas  sobre cuidados e prevenção. Aqui você também aprende a se prevenir de algumas doenças.

 

Esse texto foi útil para você saber mais sobre a Amígdalas, amigdalite e cirurgia? Se ajudou você, compartilhe para que outras pessoas também possam conhecer e se cuidar. E lembre-se sempre de procurar um médico para cuidar da sua saúde.